Textos Mais Recentes

O Extermínio
do Futuro

30/01/2020

Existe um Imperialismo Oriental?
12 / 2018

VAMPEL II

Matrimonium Lamia Nocts
21/03/2018


inCompetência e Presciência da Vara de Curitiba
16/09/2017

Gladium Volantis
10/08/2017

VAMPEL
Vocationem Lamia Noctis

23/06/2017

ABISMO NEGRO
Um Clássico da FC

02/06/2017

Feminismo "Benevolente" e Feminismo Radical
15/02/2017

Homens e Aborto
09/02/2017

Globalização, Globalismo e Globismo
24/01/2017


2 0 1 6

Feminismo Neo Pentecostal 01/11/2016

O Feminismo Desvirtuando as Instituições
22/09/2016

Os Titereiros do Capital e suas Marionetes de Esquerda
24/08/2016

A Guerra Contra a Reprodução
03/08/2016

A Família em Desconstrução Linguística
22/07/2016

Muita Sandice numa Burrice Só
18/07/2016

As Águas Sujas da Privatização
30/06/2016

Do Pré-Sal ao Impeachment
O Maravilhoso Mundo das Coincidências Fabulosas

28/06/2016

OBLIVION
Obra-Prima da FC

18/06/2016

O Estupro Coletivo da Consciência Social
14/06/2016

Os 300 da Suécia
26/05/2016

À Espera de
Um Milagre
(econômico)

21/05/2016
2 0 1 5

5 Bobagens Planetárias da FC 26/11/2015

Sensual Kombat
08/11/2015

TELLUS
X
THALASSA

15/07/2015

QUARTO Esboço de uma FILOSOFIA DO CAOS
28/06/2015

A Verdade Sobre Margareth Sanger
Ela NÃO Era Abortista!

28/06/2015

A Dignidade Humana Entre A Esquerda e A Direita
19/06/2015

Pode o Feminismo Não Ser Misândrico?
09/06/2015

Mad Max
Fury Feminist?

28/05/2015

Batalhas Espaciais II
26/04/2015

ABORTISMO
05/03/2015

Aborto à Francesa
05/03/2015

A Queda da Lua
23/02/2015


2 0 1 4

3o Esboço de uma FILOSOFIA DO CAOS
21/12/2014

Invertendo a Igualdade
18/12/2014

Desleitura Feminista em Christine de Pizan
01/12/2014

ESTUPRISMO
18/11/2014

Disputa Semântica
18/11/2014

Por que VEJA odeia o PT?
06/11/2014

Estuprando Números
11/09/2014

rePensando o Feminismo
19/08/2014

GRIDVENCE
15/07/2014

A Fundação do Feminismo
25/06/2014

5.000% de Paranóia
10/05/2014

Pensando nELA
25/04/2014

Atacando uma Ficção
20/04/2014

Estuprando a Justiça
03/03/2014

Entendendo a MISANDRIA
18/02/2014

Heroísmo: O Outro Lado da Masculinidade
18/02/2014

Em Defesa do Patriarcado
03/02/2014


2 0 1 3

Hipótese Benevolente à Cruzada Anti-Reprodutiva
31/12/2013

A Cultura do ESTUPRO
28/11/2013

O Estupro da CULTURA
28/11/2013

Expressar ou Doutrinar?
26/09/2013

Traindo o Movimento
27/08/2013

Filosofia, Ideologia e Militância
26/08/2013

Infeliciana Homofobia
17/08/2013

As Ovelhas e os Memes
13/08/2013

Complexo de Paraíso Perdido
06/08/2013

Financiamento Público de Campanha
12/07/2013

Cavalheirismo é Sexismo?
10/07/2013

'DeZrazões' Para Liberar as Drogas
11/05/2013

Meta-Teoria da Conspiração
11/05/2013

O Fantasma de CHE
11/05/2013

Revolução Digital
11/05/2013

VEJA - Um Tiro na Cabeça
11/05/2013

Da ESQUERDA para TRÁS
02/04/2013

A Cara do BRASIL
15/03/2013

HIPERGAMIA - Fundamentação
02/02/2013


2 0 1 2

GenoGênese
21/12/2012

Simbolismo do Aborto
16/11/2012

O Argumento Decisivo
16/11/2012

Aborto Repensado
16/11/2012

Em Defesa do Estado
03/10/2012

Reflexões Mentalistas - Virtualidade Real
30/09/2012

2o Esboço de uma Filosofia do CAOS
04/07/2012

Hipergamia 2.5 Adendo - 1 Ídolos
03/07/2012

O Escudo do Capitão América
13/06/2012

MARX X Marxismo
01/06/2012

Da ESQUERDA para BAIXO
13/05/2012

GINOTOPIA - Hipergamia V
03/05/2012

Lesbianismo
03/05/2012

Estado X Indivíduo
04/03/2012

Das Indestrutíveis Idéias
04/03/2012

A Revolta dos Titãs
09/02/2012

1o Esboço de uma Filosofia do CAOS
30/01/2012

Hora, Data, Temperatura
26/01/2012

Ateísmo e Relativismo
21/01/2012


2 0 1 1

Religião Musical
26/11/2011

Calendários Alternativos
22/11/2011

Vôos, e Quedas, Ideológicos
10/11/2011

Horário de Verão no Brasil
07/11/2011

Hipergamia
Introdução

27/09/2011

Hipergamia IV
Atração Sublimada

27/09/2011

Hipergamia III
Atração Social

19/09/2011

Hipergamia II
Atração Imoral

11/09/2011

Hipergamia I
Atração Fatal

08/09/2011

Pornografia e Machismo
25/08/2011

Viagens Espaciais
18/06/2011

Teletransporte
18/06/2011

Viagem no Tempo e Paradoxo Temporal (Finalizado)
14/06/2011

Heróis de ESQUERDA X Heróis de DIREITA
10/03/2011

ZUMBIS à Esquerda, VAMPIROS à Direita
10/03/2011

RY-5
10/03/2011

Crônica de GRADIVIND
26/11/2011

Eu Sou A Lenda
25/11/2011

Histórico de Textos Publicados
2 0 2 0
22 de Setembro - 12:15

Já tem mais de 1,5 ano a última pesquisa DataFolha sobre a opinião dos brasileiros em relação ao aborto, mas é bom relembrar que nos resultados percentuais, o aborto, em sua situação legal, deveria:

- Ser totalmente proibido: 41%
- Continuar como hoje: 34%
- Ser permitido em mais situações: 16%
- Ser permitido em qualquer situação: 6%
- Não sabe: 2%
- Outras respostas: 1%

Considerando que o rótulo "abortismo" se aplica ao pessoal que defende a descriminalização total da prática, sem qualquer tipo de ônus, eles estão então ENTRE os 6%.

SEIS POR CENTO! E eu disse apenas "entre", pois mesmo neste grupo ainda há aqueles que ainda defendem ao menos um ônus moral.

E até aqueles que defendem que seja permitido em mais situações que as previstas atualmente, que é o meu caso, não aceitam que o mesmo seja permitido em qualquer situação. Ou seja 91% das pessoas são, segundo a pesquisa, refratárias a essa nefasta ideia. Lembrando que 75% não concordam com qualquer alargamento da descriminalização, e 41% defendem até mesmo proibição total, retirando os excludentes de ilicitude já previstos em lei.

Pela enésima vez, a pesquisa não aferiu, ou não divulgou, qualquer recorte de opinião por gênero, algo que parece anátema no tema, mas que nos poucos casos em que ocorre, quase sempre mostra que mulheres são mais contrárias ao aborto do que homens, e quando não, temos uma empate técnico. SERIA MAIS FÁCIL LIBERAR O ABORTO SOMENTE COM VOTOS MASCULINOS QUE COM FEMININOS! Ao contrário do que dizem abortistas e feministas, experts em falsificação da realidade.

Mas o ponto que quero destacar aqui não é esse, e sim que qualquer pretendente a cargos eletivos máximos não pode se dar ao luxo de emitir opinião contrária à da maioria esmagadora da população brasileira num tema tão sensível. Vai ter que, no mínimo, escapar pela tangente, desconversando como o fez Dilma, ou na malandragem sofística, como Bolsonaro, que já disse que aborto é "uma decisão que cabe à mulher". Ou seja, DEFENDE A LIBERAÇÃO! Caso contrário é impossível que tal decisão caiba à mulher. Mas o eleitorado dele é burro demais pra perceber isso. (Teria sido ainda mais esperto se dissesse "às mulheres".)

E embora seja difícil aferir a variação histórica, pois cada pesquisa costuma ser diferente, eu arrisco dizer que a próxima mostrará resultado equivalente ou mesmo ainda menos liberal que esta última, que já foi feita de um jeito para parecer mais benevolente, permitindo o uso de um número "pequeno", 41%, na manchete, enquanto as anteriores costumam ser mais simples e perguntar apenas pela favorabilidade da descriminalização total ou não, o que sempre dá número de rejeição superior a 85% ou mesmo 90%.

Mas nem tudo está perdido para o Abortismo. Pelo contrário! É uma ideologia ardilosa, maquiavélica e eficiente, que sabe conquistar seu objetivo. Cedo ou tarde vai emplacar no ABC da resistência mundial, Argentina, Brasil e Chile. Aliás, no Brasil, na prática, já conseguiu. Qualquer mulher que quiser abortar gratuitamente no SUS é só dizer que sofreu um estupro, e sem qualquer necessidade sequer de um B.O., tem alta chance de conseguir.

Graças a ingenuidade da maior parte da população, e sobretudo à boçalidade dos neocons, que acreditam no "círculo quadrado" do liberal-conservadorismo, é mera questão de tempo até que o STF passe a perna no Congresso e na população liberando a prática num golpe judiciário como foi feito nos EUA.

Apenas para confirmar o dito, cá está um dos poucos recortes por gênero no assunto em questão, no caso de uma pesquisa anterior. Notem que apesar da diferença ser pequena, ainda assim os homens são claramente mais favoráveis ao aborto.

O professor André Luiz dos Reis, por sua vez, trouxe outro dado, relativo, penso, à pesquisa atual.


22 de Setembro - 01:46

A vida de um Nerd ou fã de quadrinhos não está completa enquanto não assistir o espanhol ORIGENS SECRETAS na Netflix.

21 de Setembro

PELO AMOR DE DEUS! Não confundam esse maravilhoso filme abaixo com AQUELA PORCARIA homônima que está no Netflix! O tal do filme alemão "Freaks - Um de Nós" (2020), é uma das piores desgraças que já vi na vida!

Esse aqui é o absoluto oposto!

27 de Junho

SEM SPOILERS!!!

FREAKS, de 2018, mas lançado em 2019, embora não no Brasil, é um filme que me deixa numa "sinuca de bico". EU O AMEI! Definitivamente a melhor coisa do gênero que vi durante esta pandemia, e talvez de todo o 2020. O problema é que tal qual o ótimo Extinção (que sugeri em 05/08/18), quase nada posso dizer sobre ele sem estragar justo o que tem de melhor, o clima de mistério, recheado de surpresas e reviravoltas.

Portanto a minha dica é: NÃO VEJA TRAILERS! NADA LEIA SOBRE ELE! NÃO DEIXE TE CONTAREM! Se você gosta de misturas geniais de suspense, terror (leve) e ficção científica, e sobretudo se confiar em mim, assista com a cara e a coragem. E pelo jeito vai ter que se virar com torrents, pois não tem no Netflix, nem no Amazon Prime, nem no Telecine, ao menos por enquanto. Inacreditável um filme desses passar desapercebido por aqui, mas por outro lado, também uma vantagem que o permite ser apreciado da melhor forma possível.

A premissa inicial é de um pai e uma filha vivendo escondidos num casa e se protegendo de alguma misteriosa ameaça externa. A menina nunca conheceu o mundo externo, e a única outra pessoa que já viu é o pai, que vive a lamentar a morte da mãe que também mal conheceu a própria filha, e ele tem um mirabolante plano, não muito lúcido, de conseguir uma nova família para ela.

Mas a misteriosa ameaça externa rouba a atenção do comovente drama familiar. Desde o começo fica lançada a questão do que são os 'freaks': se monstros, humanos que enlouqueceram, ou algo ainda mais surreal que desde o primeiro segundo do filme já mostra que o próprio tempo parece congelado.

Eu pessoalmente "matei a charada" do filme ainda antes de 1/3, e penso que a maioria o fará antes da metade. Mas nem de longe as surpresas e emoções acabam.

Pulando para o final, só acrescento que apesar de ser impossível não se comover e torcer pelos protagonistas, por mais problemáticos que sejam, por outro lado também é difícil não dar alguma razão aquilo que "seriam" os antagonistas, por mais que também não sejam nada "simpáticos."

Caramba! Que situação mais... freak! Mas não se preocupe. Tudo se explica claramente ao final. Não é daqueles que deixam mais dúvidas que respostas. Não que isso em si seja ruim, mas definitivamente não é o caso aqui. Só fica a vontade de ver mais, muito mais! Tomara que façam sequências e "prequências."

ASSISTA ! ! !

18 de Setembro - 20:12

SPOILERS!!!

Não ficou bom o tratamento que deram ao flagrante do Homelander neste episódio S2E5 de THE BOYS. Porque simplesmente não disseram que era uma cena vazada do filme que estão fazendo? Talvez até acrescentando que a cena não tinha ficado boa e tinha sido descartada?

De qualquer modo, fiquei triste que o massacre não tenha mesmo ocorrido, aceleraria muito a narrativa e estou louco pra ver Black Noir X Homelander.

18 de Setembro - 16:14

E eis que o tal Conselho Regional de Química, após espionar, intimidar, tentar extorquir e ameaçar com intimações judiciais (conforme relatei em 10/05/18), e quebrar a cara, porque como previsto tomou um pau da justiça, agora age como se nada tivesse acontecido e nos inclui numa listinha de correspondência como se fôssemos amigos, passando mensagensinhas sortidas.

E olhe que nada tenho contra a me tornar simpático a quem quer que seja, até mesmo a quem tentou te extorquir R$ Mil! SE AO MENOS TIVESSEM SE RETRATADO ANTES!


17 de Setembro

Ainda acho o Muadib de Kyle MacLachlan mais interessante, mas o Barão Harkonen da série de TV foi incomensuravelmente melhor que o do primeiro filme. Jason Momoa como Duncan Idaho só vai prestar se mudarem a estória, pois o Duncan morre antes do primeiro terço. Bobagem mudar gênero de um personagem secundário como Liet Kynes, que teve o excelente Max von Sydow no primeiro filme. Duna já tem uma vasta participação feminina nos personagens principais. Dave Bautista como Rabban promete, mas... e o Feyd Rautha? (No primeiro filme foi interpretado por Sting.)


15 de Setembro - 19:18

Sobre questões ambientais reconhecidas internacionalmente, é INCORRETO afirmar que o Governo Federal Brasileiro:


a) Paga o maior Mico (Leão Dourado);
d) Queima a imagem do país;
c) Consome madeira para sustentar a prática de "Cara de Pau";
d) É como peixe fora d'água, mas no óleo;
E) é admirado como exemplo de preservação ambiental por Leonardo di Caprio.

15 de Setembro - 16:10

Pau no Guedes!

14 de Setembro

Uma das mais curiosas redundâncias expressivas da atualidade é o tal do "terror psicológico", como se terror, ou qualquer outra emoção, pudesse ser relacionado a qualquer outra coisa que não a psique. Esse termo costuma ser usado para descrever uma modalidade de "terror sutil", sugerido, sem o uso de imagens explícitas, em produções filmográficas principalmente a partir de A Bruxa de Blair (1999).

Mas mesmo essa correção não permite associar tal modalidade à obra do grande Howard Philips Lovecraft (1890-1937), sendo também muito usado o conceito de "horror cósmico". Eu prefiro confessar que o legado do autor é de um "horror indescritível", expressão que ele próprio usa reiteradamente.

Melhor dito, o universo lovecraftiano postula que afora a pequena "plácida ilha de ignorância" que constitui o domínio humano, o universo é predominantemente "permeado por negros mares de infinitude", que a razão e ciência, humanas, não podem contemplar. E que diante dela, mais feliz é o humilde ignorante que foge aterrorizado e se conforma com noções supersticiosas, pois os homens de intelecto, personagens frequentes do universo do autor, terminam enlouquecendo no esforço vão de compreender o inapreensível.

Em Lovecraft, por padrão, não se vê vampiros ou lobisomens retalhando pessoas, não se trata de monstros assassinos, psicopatas pervertidos ou ameaças físicas claras. O clima sombrio, de mistério e horror, mas também de fascínio e maravilha, decorre das amostras de colossais civilizações perdidas, inteligências abissais muitíssimo além da cognição humana, mas que diferentes de um Deus benevolente, em nada se interessam pela humanidade, não lhe sendo realmente hostis, mas não se importando de exterminá-la se isso lhes for minimamente útil para um motivo insondável. Pior que tê-los como inimigos, é a indiferença dos deuses monstruosos do que convencinou-se chamar "mitos de Cthulhu", embora o próprio Cthulhu seja apenas uma das muitas entidades da mitologia lovecraftiana.

E o aspecto que acho mais interessante, não se vê exatamente maldade nas entidades em questão. Os desafios impostos aos personagens raramente vem de maquinações ou más intenções dos seres não humanos, mas do simples abismo cognitivo que nos diferencia deles.

Por isso, apesar das vastíssima influência desse autor, continuam espantosamente raras adaptações cinematográficas de primeira linha para suas obras. É um tema perfeitamente literário, mas que desafia a linguagem audiovisual, ao menos nas limitações típicas dos padrões hollywoodianos. Obras seminais como Um Sussurro nas Trevas, Dagon, Nas Montanhas da Loucura ou O Chamado de Cthulhu permanecem até hoje, um século depois, sem adaptações cinematográficas comparáveis às de Tolkien, H.G.Wells ou mesmo Stephen King, este, por sinal, uma assumida "cria" de Lovecraft.

Muitas obras audiovisuais independentes foram sim realizadas traduzindo as obras do autor, bem como filmes B, além de vídeo games e RPGs. Mas no geral, em obras de grande repercussão, sua influência, apesar de extrema, é indireta.

Isso começou a mudar no ano passado com uma nova versão THE COLOUR OUT OF SPACE, com Nicholas Cage como astro principal, que apesar de ser a sexta ou sétima adaptação do conto original, é de certo a primeira a ser lançada com pretensões de frequentar o grande circuito dos blockbusters. O diretor, Richard Stanley, que passou a frente de Guilhermo Del Toro na corrida por lançar obras de autor nas grandes salas de cinema, planeja mais dois outros filmes.

No entanto, talvez corroborando o medo que Hollywood tem de Lovecraft, o resultado, além da bilheteria pífia, me parece controverso. No geral, o filme foi agraciado com ótimas críticas, e um bom escore nos sites especializados. De certo há ótimos efeitos especiais e atuações competentes. O próprio Cage está muito bem no filme. Mas não posso deixar de apontar todos os problemas que permeiam a produção na tentativa de "descrever o indescritível".

Em primeiro lugar, a "cor" em questão, uma percepção inexplicável nos dizeres do próprio autor, não poderia ser "fuchsia" coisa nenhuma não! É até defensável que seja retratada num tom violáceo, similar ao da "luz negra" que causa um borrão na visão devido a estar no limite de percepção humana. Mas jamais um magenta tão vivo quanto o utilizado no filme. A produção Netflix ANIQUILAÇÃO, com Natalie Portman, um dos infinitos exemplos de obra escancaradamente inspirada em Lovecraft, embora de forma indireta, foi muito melhor em retratar a "cor" com aquelas variações espectrais caóticas.

Defendo que o ideal seria fazer o filme em preto e branco, como fez a produção alemã DIE FARBE (literalmente "A Cor") de 2010, e então retratar a coloração alienígena com tons mutáveis e inconstantes constituindo o único elemento colorido.

Segundo, considero bastante problemático adaptar as obras do autor aos dias contemporâneos. Elas respiram o espírito do começo do Século XX, e não é atoa que o filme precisou lançar mão do recurso de que um dos efeitos da "cor" seria inviabilizar as telecomunicações e até mesmo dificultar o uso dos veículos, garantindo o "isolamento" crucial para o devido desenrolar da estória.

Boa parte do apelo das obras de Lovecraft reside justo nas limitações tecnológicas típicas da época, tornando as trocas de cartas, as peregrinações, a navegação, os relatórios textuais, a dificuldade de circulação de informação etc, fulcrais para o desenrolar da história. Não que não seja possível adaptar a obra para a atualidade, mas isso é adicionar uma dificuldade a mais, e das grandes, num universo de já dificílima adaptação.

Ademais, o filme introduz elementos adicionais dissonantes, como por exemplo uma temática inicial de Wicca bem diferente da temática de bruxaria frequentemente utilizada pelo autor, embora não neste conto, que é, aliás, atípico em sua obra. Para depois torná-la irrelevante, e ainda colocar um Necronomicon em formato livro comercial na mão da bruxinha de shopping, quando na realidade este livro fictício deveria ser, na descrição do próprio autor, uma raridade de dificílima obtenção restrita a círculos de sociedades secretas e perigosíssimo até de ser manuseado. A saga Evil Dead (A Morte do Demônio) foi muitíssimo mais fiel ao retratar o Necronomicon em seus filmes. Sem contar, mais uma vez, que o livro não é sequer mencionado no conto original, que também nada menciona do restante da mitologia lovecraftiana.

Por fim, o filme apela ao gore, que embora possa sim ser inferido da obra de Lovecraft, o seria de modo bem diferente, e termina colocando alguns monstros nojentos que destoam do tom misterioso, nada explícito, do conto original, que aliás pode ser facilmente achado, em português, na internet, bem como praticamente toda a obra lovecraftiana.

Eu termino avaliando este filme bem abaixo da média que tenho visto na crítica, mas apesar disso, ainda o acho bem vindo. H.P.Lovecraft merece ser sim mais popularizado, desde que devidamente respeitado. É um autor fundamental demais para ser tão estranhamente omitido enquanto tantos que se baseiam claramente nele são amplamente conhecidos.

Para se ter uma ideia, basta lembrar que, além das já citadas, temáticas como a série ALIEN, toda a tradição de Zumbis, A Coisa (Enigma de Outro Mundo) de John Carpenter, praticamente tudo de Stephen King em suas inúmeras versões cinematográficas, criaturas submarinas como os de 'A Forma da Água' ou de Ameaça Profunda (Underwater), The Cabin in The Woods, a sequência do fosso em Aquaman, e mais uma infinidade de coisas largamente presentes no cinema, TV e games seriam impensáveis sem Lovecraft! Ele é pai ou avô de quase tudo isso! E ainda assim, os trata num grau de sofisticação e refinamento que seus sucessores raramente chegam perto.

Só resta torcer que para este autor, que viveu apenas 47 anos e nunca teve amplo reconhecimento em vida, seja dignificado com um legado a sua altura.


12 de Setembro

Sempre tive problemas de sono, em especial eventos de insônia que me deixavam acordado de madrugada mesmo quando eu levantava todos os dias as 6 da manhã. Passei toda a minha infância e adolescência acordando cedo, sempre estudando de manhã, bem como décadas de minha idade adulta, e mesmo assim jamais me acostumei, sempre tendendo a trocar o dia pela noite.

Não à toa, trabalhei muito tempo em produção de vídeos para TV, área onde é comum virar a noite trabalhando, e onde as produtoras costumam ter horários de 9 às 19 justo pela tendência geral dos profissionais dormirem mais tarde. Também por isso terminei abraçando uma profissão com regulares plantões noturnos nos quais passo a noite inteira acordado sem dificuldade.

Com esse histórico, incluindo dificuldades para dormir justo antes de meu plantão diurno, cedo ou tarde eu teria que fazer a sonhada POLISSONOGRAFIA, um exame onde você dorme numa clínica e o seu sono é monitorado. Demorei por vários motivos, mas em especial porque tais exames só são feitos à noite, e um de meus problemas com sono é justo a dificuldade de dormir fora de casa. O que me aflige até mesmo quando estou hotéis.

Adotei a estratégia de realizar o exame na noite de meu plantão diurno, onde normalmente durmo pouco na noite anterior, e lá fui, após o plantão, já sonolento para a clínica. Mas juro que não fazia ideia de que o desafio seria tão grande.

Pra começar a DIFERENÇA BRUTAL entre a expectativa das 3 primeiras imagens fornecidas pela própria clínica, prometendo a instalação onde eu iria dormir, e a realidade das imagens seguintes que eu mesmo fiz. E o detalhe, o banheiro é coletivo, dividido com vários outros quartos dos quais 5 estavam com pacientes.

Depois, eu sabia que haveria eletrodos, mas porra... TRINTA! Trinta eletrodos em tudo quanto é canto do corpo, sendo os dos cabelo com aquela meleca infame para fixação! Não há posição confortável possível! E ainda por cima presos a um dispositivo que te deixa sem possibilidade de movimentação. Tem que chamar a enfermeira se quiser ir no banheiro, para ela promover uma parcial desconexão, e você sair carregando a caixa com todos aqueles fios atachados.

Pra piorar, o ambiente é repleto de barulhos estranhos que, JURO POR DEUS, me lembravam as máquinas de combate marcianas do Guerra dos Mundos de 1953!

Ainda tive problemas de minha parte. Por puro descuido consegui a façanha de ficar com queimaduras de Sol no dia anterior, leves, mas suficientes para tornar tudo mais incômodo, e como se não bastante, ainda tive uma maldita crise de "mijo branco", um bizarro fenômeno que me acomete de vez enquanto promovendo uma hiper atividade urinária onde só sai água mesmo que eu não tenha bebido nada por várias horas.

Aliás é algo que desafia as leis da realidade! Nada menos que uma "aquae creatio ex nihilo" que nem o Squirtle (O Pokémon! E não o que você está pensando!)

Antevendo essa possibilidade tomei um medicamento que promove justamente o efeito contrário, e de quebra, ainda dá mais sono. Mas é até duvidoso se eu realmente dormi ou apenas fiquei na fronteira com o mundo de Morféu, sem o devido visto para adentrá-lo plenamente.

E a maior evidência disso é que ter sido acordado às 5:30 da manhã foi um alívio! Chegando em casa, finalmente fui dormir de verdade mesmo com o barulho de obras de instalação elétrica sendo realizadas.

Tenho dúvidas de que esse exame, cujo resultado demora 15 dias, irá acrescentar qualquer coisa ao que já sei sobre o meu problema, que em grande parte é uma espécie de "inércia de estados de vigília e sono": se estou acordado, quero continuar acordado, se estou dormindo, quero continuar dormindo. Além da tendência noturna e, a última descoberta, de que o sono humano mais próximo do natural é em dois turnos, com um intervalo de horas no meio da madrugada.

Isso tudo, sem contar o aborrecimento que é uma civilização ter se desprendido da dinâmica natural de iluminação de dias e noites, mas continuar totalmente configurada apenas em função das pessoas diurnas, que é claro, são maioria. Mas os noturnos, desde os que caçavam ou vigiavam à noite no mundo primitivo para proteger a tribo, até hoje, continuam sendo absolutamente imprescindíveis para o devido funcionamento da sociedade, e mesmo assim não tem acesso a serviços básicos que funcionem 24 horas por dias, ainda por cima ficando, não raro, com fama de vagabundos que acordam tarde.

11 de Setembro

Só pra lembrar, Crivella está em 2° nas intenções de voto, e seguramente vai pro segundo turno. Se bem que do jeito que tão passando o rodo em executivos do Rio duvido nada ter a candidatura impugnada ou até ir preso antes.

11 de Setembro de 2019

Gira o mundo e a esperteza politiqueira continua colocando a maior parte da população "no bolso", inclusive a que se acha esclarecida, precisando apenas de algumas estratégias básicas, velhíssimas, mas infalíveis.

Uma delas, ser sensível à MAIORIA SILENCIOSA, aquela que, apesar de constituir porcentagem dominante do eleitorado, não tem voz nos grandes meios de comunicação monopolizados por uma ínfima elite.

Marcelo Crivella acaba de dar mais uma aula a esse respeito, conseguindo uma das façanhas máximas da demagogia, parecer um idiota quando na verdade acerta em cheio no seu alvo enquanto passa a perna tanto nessa maioria quanto na minoria que pensa ser esperta.

Quem o examinar de perto dificilmente não terá a impressão que ele não dá a mínima para beijo gay ou qualquer coisa que o valha, até por ser da IURD / Record, que como já mostrei na ocasião de sua eleição para a Prefeitura do RJ em 2016, apoia as mesmíssimas causas sociais progressistas que todos as megacorporações de mídia pregam. (Neopentecostalismo Feminista)

Ao final deste mesmo texto eu já havia falado que provavelmente faria uma resistência "débil e simbólica" contra as pautas que a maioria do seu eleitorado repudia, e a oportunidade veio quando selecionou um alvo insignificante para "mostrar serviço": um quadrinho que apesar do nome, é direcionado para público adulto, lançado há quase uma década, com baixa tirarem, de uma mídia já extremamente restrita em termos de alcance popular. Algo que nem remotamente se compara à influência das TVs abertas, inclusive a do seu patrão.

Aí, a turma da Zona Sul, crente que está abafando com sua "luta pelo progresso" e por um "mundo melhor" que tem a curiosa característica de, sendo anti-reprodutiva, não ter "futuro" algum, faz o maior alarde com direito aos maiores youtubers do Brasil dando massiva cobertura já não bastasse a da grande mídia em si. E tudo isso sabendo muito bem que o gesto era pífio.

E assim, os lacradores "revolucionários" que ou apoiam o poder das grandes corporações, ou pior, acreditam que irão derrubá-las fazendo exatamente o que elas querem, dão início a campanha eleitoral gratuita e antecipada fazendo-lhe o favor de refrescar a memória de um eleitorado que é bombardeado incessantemente com "novos gêneros", "família é qualquer coisa", "transsexual masculino tem que usar banheiro feminino" e "cirurgia de mudança de sexo para criança sem o consentimento dos pais", e não pode abrir a boca publicamente com medo de ser processado por alguma nova legislação usando um termo incompreensível.

Esse eleitorado, que corresponde a imensa maioria silenciada da população, reconhece nele um símbolo de resistência pelas tradições (falso, mas habilidoso em iludir), e fica pronto a reelege-lo, ou a quem ele apoiar, na eleição municipal do ano que vem.

Em suma, com uma manobra ardilosa que sabia ser inócua, conseguiu fazer uma imensa massa de iludidos trabalhar de graça para ele como cabos eleitorais invertidos, alcançando seu "público" eleitor com a generosa campanha que parece ter "humilhado o pobre defensor da família", e ainda consegue fazer bombar o evento literário em sua cidade!

Provavelmente irá aprontar outras futuramene para despontar ainda mais como o guardião de valores que a maioria esmagadora da população tem, mas as megacorporações insistem em atacar. E aposto que será bem sucedido.

Enquanto uma galerinha desempregada, ou sub empregada, morando com os pais, acredita estar abafando em cima de alguém que tem uma renda de fazer inveja a promotor que acha que 24 mil é miséria.

9 de Setembro

Segundo o Google, o site do Itamaraty NÃO É SEGURO! Suas senhas e cartões de crédito PODEM SER ROUBADOS!

"Piada pronta", ou a mais séria ilustração da realidade de um governo que quer roubar o país inteiro para os cafetões de Washington e Wall Street?

8 de Setembro

Nem é preciso assistir o novo Mulan para ficar óbvio que possui um problema sério no que se refere ao tema clássico, que ressoa até mesmo no Brasil, com a Diadorim de Grandes Sertões.

No desenho original, que vale lembrar pouco ou nada tem a ver com a guerreira mongol real Khutulun (1260-1306), e sim com uma lenda bem mais trágica, temos uma jovem quase normal, ainda que de certo mais forte e combativa que a maioria das mulheres, que precisa se disfarçar de homem e passar por um longo treinamento, no que significa penetrar num domínio social e simbólico masculino que acrescenta uma série de dificuldades perfeitamente realistas, apesar dos elementos sobrenaturais.

Mulheres lutando como homens temos várias ao longo da história, nem vou citar a mais famosa, mas acrescento a samurai Tomoe Gozen (1157-1184), a rainha celta Boadiceia (século I), as irmãs vietnamitas Trung (século I) ou Zenóbia (século III), da Síria, para citar algumas. E nunca deixaria de lado as brasileiras Anita Garibaldi (1821-1849) e Maria Quitéria (1792-1853). (Pergunte-se por que feministas jamais se interessaram em resgatar o histórico dessas mulheres.)

Mas ao decidir transformar Mulan numa heróina "fodona" com poder de luta fenomenal que dispensa até treinamento capaz de derrubar sozinha hordas de homens sem desfazer o penteado, o filme cortou por completo justo o único elemento que o conectava com a realidade, para recauchutar o, definitivamente, mais batido clichê sci-fi / fantasy pop da atualidade: heroínas "fodonas" com poder de luta fenomenal que derrubam sozinhas hordas de homens sem desfazer o penteado.

Tal qual cowboy que dá sem tiros de uma vez ou o clichê Rambo / Braddock que tanto fez sucesso nos anos 80 até finalmente ser desafiado por heróis mais reais como o de Duro de Matar, o século XXI tem sido inundado por esse clichê persistente que foi transformado numa bandeira politicamente correta transcendendo um pouco a duração média de um modismo pop, e, vale lembrar, mais uma vez, sem qualquer efeito notável na realidade.

Não! As mulheres não irão se tornar guerreiras ou estatisticamente mais duronas devido a esteriótipos ficcionais pop por mais martelados que sejam. Pelo contrário. Na média, as mulheres de hoje são bem menos assertivas em termos de desafiar os padrões normativos que as do passado, onde tais padrões eram muito mais rígidos. Até porque hoje elas já tem o apoio, e não só simbólico, mas jurídico e econômico, das mega corporações e do Estado, e essas facilidades não tornam ninguém mais forte, pelo contrário, enfraquecem.

Desafio qualquer um a citar a Rani Lakshmibai (Índia, século XIX) da atualidade, mesmo numa era onde os exércitos estão repletos de mulheres. Aliás, sendo sincero, mesmo no gênero masculino isto está em falta, em grande parte graças a tecnologização e burocratização das guerras.

Mas voltando ao tema, por mais caro que seja esse clichê para as produtoras de cultura de massa hoje, haja visto o NETlacraçãoFLIX, o fato é que ele já encheu o saco. Qualquer mulher de menos de 30 anos hoje passou a vida inteira vendo heroínas desse tipo todos os dias na TV.

Por isso, quando surge um Crepúsculo, um 50 Tons de Cinza ou um 365 Dias (na própria NETFLIX), que é o absoluto oposto desse clichê, é um sucesso danado.

No desenho de 1998, Mulan está disposta a arriscar a própria vida para para proteger o pai, além de, claro, já ter uma vocação para aventura. Precisa passar por um longo e árduo treinamento, se disfarçando entre homens, o que lhe gera dificuldades adicionais. Fica bem claro que há uma diversidade entre os próprios homens em termos de físico e força, e que todos eles precisam dar duro para se aperfeiçoar e se tornarem guerreiros, explorando suas particularidades especiais, no que Mulan se sobressai principalmente pela inteligência, sabendo compensar sua menor estatura e força física.

Tal como nas guerras reais, o elemento estratégia é bem mais relevante do que uma super habilidade marcial individual, e Mulan consegue, por exemplo, destruir o exército dos Hunos justamente numa tática brilhante de improviso em batalha, correndo um risco tremendo.

Isso tudo a aproxima da realidade, visto que as mulheres guerreiras reais, sem querer menosprezar habilidades físicas, tiveram frequentemente que se sobressair também de forma estratégica, como aliás todo e qualquer guerreiro. Nenhum homem se destacou na arte da guerra pelo fato de ser um lutador invencível, mas sobretudo, pela capacidade de estratégia e liderança.

Ao acrescentar um tipo de super habilidade intrínseca à personagem, praticamente um superpoder, por meio de uma releitura do conceito de Ki / Chi, no qual mais do que desenvolver, ela antes precisa mais é conter o poder, toda essa parte do esforço e mérito pessoal é deixada em segundo plano em troca de "graças" que são dadas, de graça, tal como, por exemplo, os poderes da Capitã Marvel ou da Rey Skywalker Palpatine.

Há que se dar um desconto, claro, pois afinal essas mulheres lutadoras já são um tradição chinesa até mais antiga do que no ocidente. Não é só nas séries de fantasia chinesas da Netflix não, lutadoras com dons sobrenaturais estão presentes em filmes 100% chineses ao menos desde a década de 70, se tornando mais populares mais tarde, claro.

Mas há uma sutileza nessa tradição, bem como nas heroínas ocidentais dos 80 a 90, que difere desse estilo da lacração atual, que é serem um símbolo por si que evoca elementos míticos ancestrais que, tal como as mulheres guerreiras reais, sempre estiverem presentes. E não pra servirem como uma alegoria de empoderamento como crítica social. Nesse sentido, evoco novamente a realidade. NENHUMA dessas mulheres guerreiras históricas questionou o "machismo" ou o patriarcado.

Até dá pra misturar as duas coisas, mas não é nada fácil.

E, aliás, não é por acaso que trago uma imagem da Mulan da 4a Temporada de "Once Upon A Time", uma série que, por sinal, gosto muito, até por ser definitivamente a série mais pró-família que conheço. Mas ela dá uma escorregada justo nessa temporada onde aparecem Mulan, Merida, e outras personagens da Disney em versões visualmente impecáveis. (As atrizes usadas para a versões de Anna e Elsa de Frozen conseguem ser melhores que os desenhos!)

Mas bem, quem viu, já tinha experimentado uma abordagem feminista que chegou ao ponto do ridículo, como na cena em que Merida quer aprender a lutar mas se recusa a ser ensinada por um homem! Razão pela qual o seu pai, o Rei, teve que contratar Mulan para treiná-la!

7 de Setembro - 21:12

Vídeo fake no qual, infelizmente, menos dos 20% de reações são HAHA, numa das poucas situações onde esse tipo de curtida é a mais adequada. Muita gente de fato parece ter levado a séria a tosca CGI de um ônibus manobrando perigosamente numa estreitíssima estrada, de estrutura claramente absurda, onde até as condições de filmagem, como o posicionamento da câmera, não fazem o menor sentido. Sem contar falhas nítidas na própria sobreposição de imagens que parecem até propositais, me fazendo pensar que os autores da animação quiseram minimizar o risco de que sua arte fosse levada a sério demais.

Infelizmente, muitos parecem ter visto o vídeo em smart phones em péssima condições de visualização, a única explicação para algo tão evidentemente falso poder ser levado a sério.

Aí fica a questão: como pessoas que acreditam nisso irão se proteger dos Deep Fakes?

A resposta, óbvia, é: NÃO VÃO!

Nos estamos verdadeiramente enrascados! Em breve estaremos, mesmo vizinhos, vivendo em realidades alternativas totalmente díspares. Cada um "vendo" coisas completamente diferentes.

RUMO AOS UNIVERSOS SOCIAIS PARALELOS

7 de Setembro - 14:54

COBRA KAI é verdadeiramente excelente. Mesmo pra quem nunca viu os filmes da década de 80, embora recomendo muitíssimo que o faça. Pretendo escrever algo detalhado sobre esta série. Ela trás muitos elementos para reflexão.

Alessandre Argolo
5 de Setembro

A melhor série em cartaz na Netflix atualmente é "Cobra Kai", que mostra a vida das personagens do filme de John G. Avildsen, chamado "The Karate Kid" (no Brasil, "Karatê Kid - A Hora da Verdade"), de 1984, 34 anos depois. Eu já sabia da série desde 2017, quando estreou no YouTube Premium.

Excelente produção do grupo Sony. Ralph Macchio volta como Daniel LaRusso, William Zabka como Johnny Lawrence, Martin Kove como John Kreese, o impiedoso e mau caráter "sensei"de Johnny e vilão do filme clássico de 1984, além de outras personagens novas, à exceção da mãe de LaRusso na série, que é a mesma atriz do filme original, mais velha, evidentemente.

Muito boa a ideia da série e realmente funcionou. Assisti às duas temporadas em dois dias, 10 episódios por temporada. Os episódios são curtos, cerca de 30 minutos cada um.

O roteiro básico mostra Johnny Lawrence vivendo uma vida nada bem sucedida, fazendo pequenos reparos em domicílios. Ele é dispensado depois de discutir com uma cliente da empresa e, entre um pileque e outro, ele resolve reabrir a academia de karatê, chamada em japonês de "dojô", Cobra Kai. Na série, Johnny mora sozinho mas tem um filho de 16 anos com quem tem uma relação atribulada.

Na vizinhança, ele conhece um garoto americano de origem equatoriana, chamado Miguel, e termina intercedendo por ele numa confusão numa loja de conveniência. Ele salva o garoto de uma surra certa e Miguel pede que ele o ensine karatê. No início ele reluta mas termina cedendo e reabre a academia Cobra Kai, do filme clássico de 1984,

Daniel LaRusso, por sua vez, é um empresário bem sucedido, casado, dois filhos, uma menina e um menino. Atua no ramo de concessionária de veículos. Claro que o roteiro deu um jeito de reaproximar Johnny e Danny (como LaRusso é chamado pelos amigos e familiares).

Eles são adultos e não rola mais rixa de antigamente, apesar de Johnny não suportar LaRusso e este não ter tanta animosidade contra o seu antigo rival, o que muda um pouco no decorrer da série, ressuscitando a antiga rivalidade.

Esse é o ponta-pé inicial da série, que é muito boa, entretenimento garantido. Eu considero que Zabka interpreta a personagem principal da série. Ele sempre foi um excelente ator, o que ficou claro já desde o primeiro filme, no qual ele foi muito elogiado como o antagonista de Ralph Macchio.

O Sr. Miyagi, na série, faleceu em 2011 (o ator Pat Morita morreu em 2005).

A grande sacada da série "Cobra Kai" é abordar o aspecto humano de cada personagem e entender que cada um deles tinha a sua perspectiva de ver as coisas, além de que são seres humanos com defeitos e qualidades.

Johnny, por exemplo, não considera que praticou bullying contra LaRusso em 1984. Já LaRusso, claro, se considera vítima de perseguição de Johnny quando era jovem. Johnny acha que LaRusso tentou "roubar" a namorada dele.

Nenhum dos dois ficou com a personagem Ali, interpretada no filme original pela atriz Elisabeth Shue, que não aparece mas na série se sabe que ela se casou com um médico e mora em Denver.

Eles dois continuam morando na região noroeste de Los Angeles, chamada San Fernando Valley mas em bairros diferentes, já que LaRusso virou praticamente um homem rico e Johnny é um proletário tentando sobreviver.

Recomendo fortemente a série "Cobra Kai", cuja ideia simplória foi magnificamente bem trabalhada pelos roteiristas. Eles realmente conseguiram resgatar, em vários momentos, a emoção que marca o filme clássico de 1984, "Karatê Kid - A Hora da Verdade", filme que tem um dos finais mais inesquecíveis da história do cinema,


5 de Setembro

Experiência estranha assistir mais essa vítima da pandemia, que deveria ter estreado nos cinemas em Maio, e acabou ficando no vácuo, praticamente desconhecido. Assisti inadvertidamente o trailer e fiquei interessadíssimo com o clima de suspense e mistério que sugeria um filme mais investigativo e dramático.

Spoilers medianos, que penso, mais irão prevenir decepções que estragar surpresas.

Fiz o download via Torrent, e para minha surpresa, diferente do trailer, o filme já começa escancarando! Com direito a disco voador prateado reluzente de seções giratórias que rodopiam que nem peão lançando raios de luz abdutores, referindo-se claramente ao real Caso Travis Walton e então música título de abertura épica que dá a sensação de que veremos um Star Wars ufológico.

Daí o filme acalma e tem o seu primeiro "terço", a meu ver o mais interessante, por lidar justo com a frustração de um jovem abduzido que apesar de ter filmado o alienígena e ter compartilhado um vídeo nítido, ainda assim levanta inúmeras suspeitas de fraude sem contar desocupados que vendo um vídeo daqueles, que exigiria um produção profissionalíssima, tem a cara de pau de dizer que seria uma montagem tosca. Tem até o farsante que inventa que foi ele que fez o vídeo.

Nesse ponto, eu não conseguia deixar de pensar no que o Fabio Duarte pensaria desse filme, pois ilustra bem um problema que já aventei de que mesmo excelentes evidências, ainda mais hoje em dia, poderiam ser desqualificadas, considerando ser possível criar imagens em CGI mais convincentes que imagens reais.

Infelizmente, porém, o filme se perde, subitamente se transformando, sim, num quase Star Wars ufológico com direito a Homens de Preto com pistolas de raios azuis, andróides com pistolas de raios verdes e mais homens de preto com rifles de raios vermelhos. Ritmo inconstante, alternando ação frenética e calmarias de um modo menos dinâmico do que deveria, e, o mais estranho, com bizarras inconsistência tecnológicas que, ao fazer referência clara, ainda que com outro nome, ao caso Travis Walton, me fizeram apostar na hipótese de que o filme de passava num universo alternativo com direito a transições entre Dimensões Paralelas.

Pra se ter uma ideia, é ambientando no infame "present day", logo, 2020, mas o protagonista, um hacker que trabalha numa agência espacial, usa um celular Nokia tijolão que a maioria dos jovens nunca nem viu na vida, e usa uma câmera JVC com fitas DV Cam! Com a qual... sobe o vídeo direto pro YouTube. (Tô fora do mercado de produção de vídeo há alguns anos, mas tenho certeza de que tem algo estranho aí.)

Não estou dizendo que seja um filme ruim. O diretor é estreante e há vários bons momentos, além de divertir principalmente espectadores mais jovens, mas uma série de decisões estéticas e de roteiro são difíceis de entender. Principalmente, aos 40 do segundo tempo, após termos um filme perfeitamente laico, os próprios ETs decidirem meter Jesus no meio! É sério! Do nada, entra uma temática religiosa que me deixou perplexo! Sem problema fazê-lo mas... como diria o Hazel, do Umbrella Academy, 'Elaborate!' Mas não, é apenas jogado lá, como se solucionasse um grande mistério.

Mas o mais estranho vem depois, quando é utilizado um "superpoder / tecnologia alienígena" para livrar os protagonistas de um cerco impossível de escapar. Então, com direito a slow motions interessantíssimos, o diretor decidiu silenciar o aúdio e substituí-lo por uma canção pop, que sequer combina com a ação, transformando a sequência literalmente num vídeo clipe, mas... com um volume absurdamente alto! NUNCA VI ISSO EM TODA MINHA VIDA! Tive que reduzir o volume pra metade!

Foi um turn off, porque aquela mesma sequência com uma música épica, mas tensa, que nem a do título, ficaria completamente transformada! Exemplo estelar de como é possível mudar por completo a dramaticidade e imersão de uma sequência apenas com a trilha sonora.

Depois dessa, o clima de final feliz sessão da tarde nem é digno de nota.

3 de Setembro

Do esquerdista que diz: quem se diz nem esquerda nem direita, É DE DIREITA;

E do direitista que diz: quem se diz nem direita nem esquerda, é É DE ESQUERDA;

Eu digo: independente de serem de esquerda ou de direita, são dois ignorantes que acreditam na redução de toda a realidade a uma dicotomia maniqueísta estúpida.

2 de Setembro

Considero o Facebook a melhor rede social. Mas isso não é um elogio ao Facebook, e sim uma crítica as redes sociais.

1 de Setembro

E cá estamos em 8° lugar na lista de países com maior número de vítimas fatais de COVID-19 divididos por milhão de habitantes, excluindo as duas localidades com população inferior a 1 milhão, na verdade, inferior a 100 mil habitantes. As posições estão comparadas às do dia 16.

01. Peru 871 (+1)
02. Bélgica 853 (-1)
03. Espanha 622
04. Reino Unido 611
05. Chile 590 (+2)
06. Itália 587 (-1)
07. Suécia 574 (-1)
08. Brasil 571 (+1)
09. EUA 567 (-1)
10. México 497 (+1)

Como antecipei no dia 22 utilizando um gráfico, era questão de tempo para que o Brasil ultrapassasse os EUA. Na verdade já havia subido antes, e caído de novo no dia seguinte, mas agora é provável que permaneça definitivamente à frente.

Como se vê, a França saiu do Top 10 e entrou o México, e o grande líder quase que desde sempre, a Bélgica, finalmente perdeu seu 1° lugar.

Tão certo quanto era que o Brasil estaria nesta lista, e que passaria os EUA, é também que irá passar Suécia e Itália, e também quase certo que passe Espanha e Reino Unido. Por isso, mesmo que os EUA aumentem novamente seu escore, o Brasil estará, NO MÍNIMO, no 4° lugar em menos de um mês.

E sim, pode perfeitamente ficar em primeiro, embora isso eu já ache improvável.

Esta é a oitava edição que faço desta lista. Edições anteriores: 16/08, 20/07, 21/06, 02/06, 23/05, 10/05 e 19/04.

Agosto de 2020











































2020

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2019

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2015

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2014

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2013

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Março à Junho

Fevereiro

Janeiro

2012

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2011

Novembro e Dezembro

Setembro e Outubro

Julho e Agosto

Abril a Junho

Março

Fevereiro

Janeiro

2010

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Janeiro a Março

2009

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Março e Abril

Fevereiro

Janeiro

2008

Novembro e Dezembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Janeiro e Fevereiro

2007

Dezembro

Novembro

Setembro e Outubro

Julho e Agosto

Maio e Junho

Março e Abril

Janeiro e Fevereiro

2006

Outubro, Novembro e Dezembro

Setembro

Agosto

Julho

Maio e Junho

Abril

Março

Janeiro e Fevereiro

2005

Novembro e Dezembro

Setembro e Outubro

Junho a Agosto

Maio

Março e Abril

Fevereiro

Janeiro

2004

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto