Decidi centralizar nesta página links para todos os meus textos relativos à temática do Aborto e Abortismo, incluindo esta devida definição do conceito.
02/03/2015

ABORTISMO

Este texto foi originalmente concebido em Janeiro de 2014, mas aqui está reformulado e ampliado, com ligeiras alterações conceituais.

O que é ABORTISMO?

Entendamos como 'abortante' a mulher que se submete a um aborto. E como 'aborteiro / aborteira' a pessoa que efetua um procedimento de aborto. Mas o que é ser 'abortista'?

Ora, o Aborto é um tema que divide ânimos e é possível, mesmo entre as pessoas que o defendem, uma vasta gama de opiniões. Alguém pode achar o mesmo defensável em tais ou quais condições, como as previstas em nossa legislação, ou algumas adicionais. Quase todo mundo é favorável a ao menos uma possibilidade, como por exemplo a que envolve risco de vida para a mãe.

É possível também discordar em que ponto da gravidez o mesmo é permissível ou não, levando em conta condições sensoriais, atividade cerebral, cardíaca, capacidade de sobrevivência extra uterina ou outras possibilidade que podem delimitá-lo em praticamente qualquer estágio da gestação.

Bem como pode-se fazer considerações distintas sobre suas razões individuais ou sociais, já tendo sido feitas justificações de cunho demográfico, de saúde, segurança pública, ou meramente de autonomia pessoal. Assim como, do contrário, pode-se alegar razões éticas, religiosas, psicológicas ou de segurança para rejeitá-lo.

O termo ABORTISMO então é usado quando o que se tem não é uma divergência de opiniões que pode surgir espontaneamente de pontos de vista pessoais, mas sim um Conceito PADRONIZADO, CENTRALIZADO e RÍGIDO que emana de Uma Única Fonte de Autoridade Ideológica, ainda que tal fonte diretamente não seja tão evidente, embora seja facilmente rastreável por meio de suas subsidiárias.

Essa ideologia tem uma proposta que não admite nenhum tipo de variação exceto com fins estratégicos, é operada por uma rede organizada de ONGs financiadas por grupos econômicos com sede nos EUA com verbas de bilhões de dólares ao ano. Assim, o ISMO se refere a uma doutrina que é bastante específica.

O Abortismo prega o "Direito Irrestrito ao Aborto Incondicional, sem a necessidade de nenhum tipo de justificativa além da mera volição pessoal da mãe, a ser realizado de forma inteiramente gratuita pelo sistema público de saúde." Na maioria dos contextos atuais, este tem reivindicado que aborto pode ser praticado "Até o prazo de 12 semanas de gestação." No entanto, esse é o elemento estratégico da doutrina, visto ser um ponto de equilíbrio razoável entre a facilidade de aceitação pela sociedade e a eficiência do método. Mas esse mesmo abortismo pode sem qualquer dificuldade expandir esse prazo de acordo com a conveniência, como já ocorre nos próprios EUA, onde alguns estados o permitem praticamente até o fim da gravidez, ou como em alguns países da União Européia que já aceitando o prazo de 12 semanas, agora se vem sob pressão política para alargá-lo.

Em suma, muitas pessoas podem ser a favor do aborto sem serem abortistas nesse sentido ideológico. Ainda que suas opiniões se interseccionem. O Abortismo então está além da maior parte das opiniões populares, que em geral, mesmo no caso de pessoas que apoiam integralmente sua proposta, ainda há grande rejeição à ideia de que o mesmo seja banalizado.

No entanto há uma outra característica subjacente ao abortismo, não declarada mas frequentemente evidente em discursos abortistas.

O Objetivo Maior do Abortismo é BANALIZAR AO MÁXIMO A PRÁTICA DO ABORTO!

Isso pode ser evidenciado na simples ideia de que o feto não é uma vida humana, mas sim faz "parte do corpo da mulher", podendo ser descartado sem qualquer ônus moral. Evidenciado também na mera expressão de que o feto é um "amontoado de células" ou "apenas um pedaço de carne", ou até mesmo um "parasita"! Na insistência de que abortantes e aborteiras "nada fazem de errado" e pelo apego irracional a ideia de estabelecer um limiar arbitrário para "onde começa a vida humana", afim de que antes desse limiar se aplique o desprezo total.

Na quase totalidade das vezes, um abortista não é alguém que chegou a uma conclusão por si próprio ou está emitindo uma opinião pessoal. E sim alguém que foi doutrinado por uma ideologia específica, com uma visão de mundo previamente estruturada e com objetivos que podem ser ou não conhecidos pelos que o defendem.

Marcus Valerio XR

O Que Penso Sobre o Aborto (2001)

ABORTO REPENSADO (2012)

ABORTO - O ARGUMENTO DECISIVO (2012)

SIMBOLISMO DO ABORTO (2012)

As Ovelhas e os Memes (2013)

Reflexões 2 0 1 3

Hipótese Benevolente sobre a Cruzada Anti-Reprodutiva (2013)

Reflexões 2 0 1 4

A Fundação do Feminismo de Segunda Onda (2014)

Aborto à Francesa (2015)

A Dignidade Humana Entre a ESQUERDA e a DIREITA (2015)

A Verdade Sobre Margareth Sanger - Ela Não Era Abortista (2015)


2 0 1 5

10 de Fevereiro 16:45

Diante da eleição de EDUARDO CUNHA para a presidência da CÂMARA DOS DEPUTADOS, vejo consolidada na sua forma mais evidente o quanto as Elites Financeiras já colocaram a Esquerda e a população em geral no bolso, conseguindo driblar com genial maestria os interesses da nação para satisfazer apenas os seus próprios, manipulando o povo e o Legislativo habilmente.

E para saber se é o seu caso estar nesse alienada condição, dê uma lida neste já antigo (2011) mas perfeitamente atual texto.

Agora veja se você percebe a mesmíssima manipulação nas próprias declarações de Eduardo Cunha de que não deixará que se vote:

1 - Regulação da Mídia e Financiamento Público de campanhas eleitoras;

2 - Aborto e Casamento Homossexual.

Os dois primeiros são de total interesse da população e total desinteresse das elites econômicas. Seria a quebra dos virtuais monopólios da Globo, SBT, Band etc, bem como daria um golpe severo no poder financeiro sobre a classe política, e contra a gênese primária da grande corrupção, que é o Financiamento Privado.

Mas a popularidade de Eduardos Cunhas, Bolsonaros, Marcos Felicianos, e evangélicos e conservadores em geral, NADA TEM A VER com a defesa desses interesses elitistas, e TUDO A VER com a aversão que a maioria da população tem contra essas bizarrices da Nova Esquerda, como Feminismo, Movimento LGBTT, Liberação de Drogas e principalmente ABORTISMO! Que praticamente substituíram a pauta daquela tradição política ideológica que deveria estar preocupada com direitos dos trabalhadores, combate a desigualdade e diminuição dos privilégios das Elites Milionárias.

E TODAS ESSAS PAUTAS de completo desinteresse da população FORAM CRIADAS E SÃO FINANCIADAS POR ESSAS MESMAS ELITES!!!

Ou seja. Aqueles que não suportam que os temas do Item 1 acima sejam votados, conseguiram corromper a esquerda financiando os temas do Item 2, para que contra elas a população se revolte e acabe votando em políticos que são contrários ao Item 2, mas acabarão votando também contra o Item 1!

Para ficar num único mas O MAIS relevante exemplo, temos a Rede GLOBO, que tem total ojeriza ao Item 1, e é ao mesmo tempo A MAIOR incentivadora dos temas do Item 2!

12 de Janeiro

Muitos ateus conhecem essa famosa passagem de Richard Dawkins que chegou a ser usada como uma espécie de oração. “Nós vamos morrer, e isso nos torna afortunados. A maioria das pessoas nunca vai morrer, porque nunca vai nascer. As pessoas potenciais que poderiam estar no meu lugar, mas que jamais verão a luz o dia, são mais numerosas que os grãos de areia da Arábia. Certamente esses fantasmas não nascidos incluem poetas maiores que Keats, cientistas maiores que Newton. Sabemos disso porque o conjunto das pessoas possíveis permitidas pelo nosso DNA excede em muito o conjunto de pessoas reais. Apesar dessas probabilidades assombrosas, somos eu e você, com toda a nossa banalidade, que aqui estamos… Nós, uns poucos privilegiados que ganharam na loteria do nascimento, contrariando todas as probabilidades, como nos atrevemos a choramingar por causa do retorno inevitável àquele estado anterior, do qual a enorme maioria jamais nem saiu?”Richard Dawkins

Some isso a um comentário no post Pro-Life Without God, que traduzo aqui. "Eu sou um cristão, no entanto, eu sempre senti basicamente a mesma coisa que foi apresentada neste artigo. Minha perspectiva religiosa é uma porção muito pequena de porque o aborto é imoral em meu pensamento. Na realidade, eu diria que o aborto deveria ser mais combatido pelos ateístas pois você está destruindo a única chance de alguém viver. Se alguém nunca mais vai existir de novo, você não deveria proteger a vida ainda mais? A vida é preciosa, e isso por si só deveria tornar o aborto impensável." John Curry

Eu mesmo nunca tinha pensado dessa forma, e adiciono isso ao que vivo dizendo a respeito de que invocar autoridade religiosa para reprovar o aborto. "A Bíblia não apresenta restrição ao aborto, havendo até uma passagem que sugere que "um aborto pode ser melhor que um homem" em Eclesiastes [6:3], bem como Jó [3] proclama as vantagens de um aborto sobre uma vida miserável. O Islã o permite num grau de tolerância ainda maior do que o de nossa legislação. A própria Igreja Católica só chegou a uma posição definida sobre o tema há poucos séculos, não sendo poucos os teólogos que autorizavam a prática até 3 ou 4 meses, pela idéia de que alma só entrava no corpo a partir desta fase da gestação."

Obtenho então como resultado que o combate ao Abortismo pela via religiosa é absolutamente inadequado, e que talvez seja um dos motivos da vitória quase total do mesmo em quase toda parte.

Marcus Valerio XR

2015

O Que Penso sobre o Aborto
2 0 0 1
ENSAIOS

MONOGRAFIAS
O Argumento Decisivo
2 0 1 2
Simbolismo do Aborto